8.14.2009

AMANTES DE CARNAVAL

Autor Desconhecido


 

De vez em quando leio revistas ou acesso algum site erótico para saber o que acontece de bom no gênero, e claro, para ver até aonde vai a imaginação e ação das pessoas no que se refere às preferências sexuais. ..............Confesso que na maioria das vezes não acredito nos relatos expostos quanto às experiências sexuais das pessoas, pois em grande parte as coisas acontecem muito facilmente. Isso mudou um pouco em relação a mim até o dia em que um fato aconteceu comigo no carnaval de :.....................Moro em Palmas-TO e tive que ir a serviço a Fortaleza-CE justamente na semana que antecedia o carnaval. Como não consegui resolver tudo naquele período, tive que permanecer até a quarta-feira de cinzas. Fato posto, só tive que agradecer por ter que passar mais uns dias naquela maravilhosa cidade. Liguei para minha esposa e expliquei a ela, que claro, não ficou nada satisfeita. .........Assim, no último dia de carnaval, fui assistir ao desfile dos blocos e maracatus. Durante o desfile surgiu uma mulher próximo onde eu estava, e como sou tarado por natureza, comecei a apreciar seu corpo mignon , pele clara, pernas grossas, seios pequenos e de uma bundinha arrebitada que me deixou pensando loucuras....................Sou um cara simples, 30.anos, apenas simpático, moreno, somente hetero, não-fumante, .m, kg, nível superior, discreto, bem casado, mas tarado por sexo (seguro)........................Após alguns momentos de trocarmos olhares começamos a conversar sobre o desfile. Ela estava sozinha e um pouco zangada, pois seu marido não gosta de carnaval. Minha nova paixão tinha combinado de ir com uma amiga que desistira. Mas ela não perdeu a viagem e foi sozinha. ................Ofereci cerveja, mas ela recusou, bem como refrigerante. A essa altura já estávamos bem íntimos no papo. Ela me contava que tinha.25 anos, que casou aos 18.e que estava ali sozinha porque o casamento não estava nada bem. Seu marido não lhe procurava para sexo. Fiquei até surpreso pela sua disposição em revelar sua vida pessoal, etc. Ao saber que a garota era casada fiquei ainda mais entusiasmado, pois tenho tara por mulheres comprometidas......................A partir dessas revelações comecei a insinuar conversas. Que ela era bonitinha, tinha um corpo bonito, inteligente e que não merecia ser mal amada.............Já estávamos conversando de pertinho, e de vez enquanto minhas pernas tocavam as delas, mas com cautela, pois não queria estragar nada. ............Já eram quase dez da noite e tinha que ir para o hotel esperar uma ligação da minha esposa. Falei que tinha sido bom conhecê-la, mas que tinha que ir. Neide (vou chamá-la assim), brincou comigo, dizendo que eu já ia porque estava com medo da mulher. Falei que não, pois a mesma estava longe. Ofereci-lhe carona, mas ela recusou dizendo que não costumava pegar carona com estranhos. Mas depois acabou cedendo................Já dentro do carro, após alguns minutos, tomei coragem e falei que estava sentido a maior vontade de beijá-la......................Toquei em suas coxas, e como ela não recusou, peguei uma de suas mãos e pus em cima da minha coxa direita. Logo Neide começou a acariciar meu pau que naquele momento já estava nos seus Xcm.....................Resolvi parar em uma rua escura e começamos um sarro de acabar. Beijávamos com volúpia, língua com língua, num tesão enorme. Sugava seus seios com calma e com fome, fome de sexo. Abri o zíper de seu short e quando encontrei aquele monte de pêlos macios e cheirosos, fui às nuvens. Pude sentir sua calcinha e xoxotinha molhadas. O ambiente era ainda mais provocador, pois corríamos o perigo de ser flagrados. Pedi para ela me chupar, mas Neide recusou. Me garantiu que faria tudo o que eu quisesse, mas só no dia seguinte..............Levei-a para casa e parei próximo a sua Residência. ....................Combinamos de nos encontrar no dia seguinte para irmos a um motel. .....................No outro dia apanhei-lhe no local combinado e partimos para um motel. Lá chegando, tomamos um banho e bebemos um drink para relaxarmos. Minha amante estava com uma calcinha de renda branca pequenininha que mal lhe cabia e que ficava enfiada na bundinha. Começamos a nos acariciar e logo estávamos num louco . Como ela me chupava ! Meu pau era sugado com a experiência de uma puta decente. Daquelas que quase todo homem sonha ter um dia.... Enfiava minha língua em sua grutinha e passeava pelo seu reguinho, pois não dispensava seu cuzinho maravilhoso. Nesses momentos ela pedia para que eu não parasse ; ah, o que eu não faria para atender minha putinha-amante........................Após gozarmos loucamente, inclusive eu lambuzando seu rosto e seus seios com meu leite quente, fomos tomar um banho para relaxar.................Voltamos a nos acariciar e minha amiga me contou que a partir daquele momento seria totalmente submissa a mim....................Assim, pedi para que me chupasse novamente. Neide fez isso até meu pau ficar em ponto novamente.................Pedi que ela ficasse de costas para mim, o que fui atendido. Passei minha língua em sua xoxotinha e novamente em seu cuzinho. Enfiei um dedinho no seu anelzinho e ela entendeu o que eu queria....................Pus uma camisinha lubrificada e comecei a penetrá-la em seu orifício anal. No início foi difícil, mas logo meu cacete já tinha penetrado o bastante para nos deliciarmos. Após umas estocadas pus meu membro para fora, e depois de trocar de camisinha penetrei em sua xoxota quente e lubrificada. A partir daí começamos um vaivém gostoso e com troca de palavras carinhosas e obscenas, o que aumentava mais o tesão. Neide cavalgava-me com maestria. Sentava em meu pau que era sugado com vigor. Era uma sensação maravilhosa !........................Gozamos loucamente. Tomamos um novo banho e partimos para a casa dela, pois não podíamos demorar muito. Neide pediu para que parasse em frente da sua casa. Pois queria ver a cara de seu esposo com chifre. Tentei recusar, queria parar antes. Mas ela preferia assim. Me apresentou ao seu marido como um novo colega de trabalho e que estava procurando um local para morar e que queria conhecer o seu bairro..................Confesso que tremi de medo, mas o que senti mesmo foi um tesão diferente, pela sua coragem e ousadia....................Nunca mais nos vimos, mas espero um dia retornar aos braços de minha amante de carnaval.......


 

* * *

SURPRESAS DE UM CASAMENTO PERFEITO

Escrito por Marcos - marcos.mab@uol.com.br


 

Quando a firma onde trabalho abriu filial em uma cidade que fica a uma hora de onde moro, fui colocado como encarregado de um setor......... Esta promoção foi muito bem vinda para mim e minha mulher. Comemoramos indo para um motel e transamos quase a tarde toda..................... No inicio, por ser próximo, eu ia pela manhã e voltava à noite. Mas essas repetidas viagens, ainda que curtas, cansavam devido ao trânsito e tudo o mais. Achei melhor ficar então em algum hotel simples e somente voltar nos finais de semana, já que minha mulher tem um bom emprego, a casa onde moramos é muito boa, e não valia a pena mudarmos................ Ela foi contra, fez cenas de ciúmes, mas concordou quando percebeu que nos dias em que a gente estava juntos nossas transas eram mais quentes, mais prolongadas e Lúcia sempre gostou muito de sexo. Assim foi, tudo caminhando muito bem, até que em uma quarta-feira foi feriado municipal onde eu trabalho. Para aproveitar o dia útil com minha mulher, após o expediente na terça, peguei carona com um amigo e voltei para casa. Ele me deixou perto de onde moro e enquanto caminhava pela rua , nem imaginava o que ia acontecer!................ A frente de minha casa é fechada por um muro, com um portão para a garagem e outro menor na lateral , ambos de madeira e que impedem a vista para o interior. Ao entrar, ainda no jardim, notei sons e a claridade vindos da sala, embora de abajur. Era o bastante para se ver o que ocorria........ Pela cortina entreaberta, olhei e tive um susto: dois rapazes estavam sentados no sofá. Um deles eu não conhecia, um mulato forte e musculoso. Já o outro, e isto me deixou transtornado, era Arnaldo, antigo namorado de minha mulher. ...........Fiquei paralisado, aquilo era evidente demais e pela maneira como os dois agiam e falavam, já haviam estado outras vezes em minha casa............... Foi nesta hora que Lúcia entrou, com algo para os três beberem: ela estava linda, com um mini-vestido de alças que modelava seu corpo bem feito e destacava sua pele bronzeada, com as marquinhas de biquine......... Colocou a bebida sobre a mesinha lateral e aproximou-se do mulato. Quase tive um enfarte quando ela sentou-se no colo dele! Conversavam em voz baixa e o som da musica não permitia que eu ouvisse tudo, apenas uma ou outra coisa em tom de voz mais alto................. Perto do rosto de Lúcia, puxou-a pelos cabelos e colocou o pau na sua boca. ................ Ele se ajeitou de maneira que Lúcia ficasse com as nádegas em cima do volume de sua calça. Ela voltou o rosto em direção ao mulato e eles se beijaram, língua com língua. Quase perdi a cabeça, pensei em entrar, gritar, etc., mas meu pênis havia se endurecido totalmente, como nunca acontecera antes!!! ......................... Ele acariciava seu busto com uma mão e com a outra deslizou pelo ombro a alça do vestido, despindo seus seios. Baixou a boca, chupando um e outro. .........As mãos percorriam o corpo dela, procurando as curvas e erguendo o vestido,.onde a tanguinha branca apareceu entre as coxas morenas. Lúcia movia os quadris vagarosamente, esfregando-se no pau do mulato e o ajudou quando ele puxou o vestido para cima..................... Nua, só de tanguinha, abraçaram-se colando as bocas. Arnaldo só olhava. Havia tirado a camisa e agora desabotoava a calça. Eu não me contive. Abri o zíper, coloquei meu pau para fora, duro e excitado, e passei a me sturbar... O mulato colocou as mãos nos quadris de minha mulher , enrolou as tirinhas da tanga branca nos dedos e com um movimento brusco, arrebentou as laterais do tecido. Agora, despida, ela se ergueu um pouco, para ajudar a retirar a roupa de seu amante. Vi pela cortina entreaberta que corpo musculoso ele tinha e mais ainda, ao ficar todo nu , não acreditei no tamanho de seu pau, negro, bem dotado e incrivelmente duro! .................. Sentado com as pernas abertas, o mulato colocou Lúcia em cima de sua.vara, a cabeça do pênis bem encaixada na entrada de sua vagina, onde eu.percebia a umidade aflorar e escorrer para fora, pelas coxas bem feitas. Ela.foi se abaixando vagarosamente, o rosto tomado por uma expressão de dor, até.que a penetração se completou. Se beijavam e se moviam compassados, numa.transa que me pareceu habitual..................... Arnaldo então se ergueu do sofá e veio até eles. Perto do rosto de..Lúcia, puxou-a pelos cabelos e colocou o pau na sua boca. Minha mulher.engoliu o mastro do amante e ele iniciou uma foda entre seus lábios. Agora,.apenas gemiam e arfavam, tamanho o tesão dos três............. Assim ficaram durante bastante tempo. Eu me masturbava olhando tudo!...........Em dado momento, o mulato falou alguma coisa. Lúcia respondeu retirando o.pênis da boca..."o que você quiser...o que quiser"... e mudou de posição,.pedindo para Arnaldo deitar-se no tapete. Com as pernas entreabertas,.sentou-se em cima dele, encaixou com a mão o cacete na vagina, agora mais.aberta pelo pau do primeiro e deslizou para baixo com mais facilidade ..............Então, enquanto trepava com o antigo namorado, virou a cabeça para o lado,.afim de receber na boca o pinto melado do mulato................. Dava para perceber o tesão incrível que invadia os três, os movimentos.da transa eram mais rápidos, achei que iam gozar, já estavam uns cinco.minutos fazendo aquilo. Mas, desta vez foi Arnaldo que pediu alguma coisa.para Lúcia. Ela tirou o pau da boca, murmurando "-sim...sim...eu quero..." e gemeu para o mulato "...deita no chão...deita..."................. Ele fez assim....o pau negro empinado. Minha mulher ajeitou-se sobre.ele, agora sem sequer usar as mãos, somente com o peso do corpo deixou-se.penetrar e começou a cavalgar aquela vara , o rosto transtornado pelo tesão..Arnaldo foi para trás, acariciou as nádegas bronzeadas, lambeu o reguinho,.salivou, lubrificou o buraquinho traseiro e a si próprio, ajeitou-se entre as coxas dela, iniciando a penetração anal................. Dolorosamente Lúcia foi sendo penetrada. "-Devagar,.amor...devagar...você sabe que dói.....assim...assim....". Ele atendeu e foi.deslizando cuidadosamente, forçando o púbis contra aquele traseiro receptivo. Passiva e submissa, com os dois paus dentro de suas entranhas, ela se movia vagarosamente, o rosto transformado pelo prazer e pela luxúria, gemendo em um fio de voz: "... meus machos... mais... me preencham toda... atrás e na frente.... quero tudo.... quero tudo.... me preencham..." Passiva e submissa, com os dois paus dentro de suas entranhas, ela se movia vagarosamente.................... Eu estava enlouquecendo vendo aquilo! Estavam perto do gozo! Minha.punheta era demais e eu os via acelerando os movimentos. Minha mulher estava.descontrolada: "- Agora... agora... me encham de porra... me encham a boceta, me encham o cú ... estou gozando... gozando.... meus machos...esporrem dentro de mim... dentro de mim... assim... assim ...".................. Todos nós explodimos em um gozo imenso. Não imaginei tanto esperma.saindo de nós. Eles gritavam e gozavam bem em minha frente. E eu quase.desmaiei de prazer, tive que me apoiar na janela. Acabamos todos juntos e.eles ficaram abraçados, curtindo o orgasmo com Lúcia entre os dois...entalados. Minha mulher os beijava e era beijada por eles, cansados e saciados, trocando palavras de carinho e de tesão, no relaxamento dos corpos................. Somente depois do gozo eu me dei conta do que estava fazendo! Me.arrumei como pude, sai rápido do jardim e fui para a rua. Ainda com as.pernas bambas, procurei um hotel para dormir!.......... Passei a noite em claro! Pela manhã, liguei para casa, Lúcia atendeu.com um tom cansado de voz e eu avisei que estava vindo de ônibus..Carinhosamente, se mostrou muito feliz porque eu ia passar aquela quarta.feira com ela. Mal cheguei em casa, arranquei a camisola minúscula que ela.vestia, ainda sem calcinha, tirei minha roupa e no mesmo tapete onde ela tinha se submetido aos desejos daqueles dois, transamos feito loucos, ela dizendo que meu pau estava duríssimo... uma delicia... que eu a estava machucando... que queria mais e mais... que eu era o único homem em toda sua vida.... o único....o único...e eu despejei uma torrente de esperma para o interior de suas entranhas, sentindo sua vagina se apertar em sucessivas contrações de espasmos e orgasmos....gozando junto comigo, intensamente, maravilhosamente, enquanto eu gemia em sua boca........"....Lenita.......Lenita......eu te amo...eu te amo..." ----marcos.mab@uol.com.br

Nenhum comentário: