7.15.2009

Oi, gente : no post de hoje , mais tres contos safadinhos : 1- o cara tinha uma namorada maravilhosa, mas resolveu conferir o que o irmão dela tinha...- 2- um conto que comprova que às vezes, a chantagem dá certo e 3 - um conto sobre as carícias e a sedução de uma deliciosa oriental.. Divirtam-se !!! Aguardo críticas e sugestões..Beijos .. G.

***

O IRMÃO DA NAMORADA

Autor Desconhecido

" Comecei a namorar a Fernanda entre 1993 e 94. Acho que foi logo no inicio de dezembro. Ela é maravilhosa, assim como todos da sua família. .........Ela estava bastante animada aquele mês porque seu irmão Fernando estava chegando da França, depois de viver la por quatro anos, trabalhando como modelo. .......Ele ia fazer uma surpresa para sua mãe - um bom presente de natal. Foi surpresa também para mim. Naquela noite de natal, so pude ir para sua casa depois da meia-noite, e estava muito a fim de leva-la para algum lugar, com certeza dar uma trepada. Havia tido um sonho erótico com ela na noite anterior e, como tive um dia corrido, so poderia vê-la a noite, por isso estava tão ansioso.............. Cheguei em sua casa e cumprimentei toda a família da Fernanda, desejando a todos feliz natal. Finalmente, então, fui apresentado ao seu irmão, Fernando. Nossa, levei um susto............. Era muito difícil eu achar um homem bonito, mas aquele não dava para negar: era como se eu estivesse na frente de um deus grego, tal a perfeição de seus traços. Senti um olhar tão penetrante enquanto apertávamos as mãos que tive medo de alguém ter percebido alguma coisa. Fiquei sentado com Fernanda na sala e a convidei para sair. So que escutei um não. .............Ela reclamou que estava muito cansada por ter ajudado a mãe a fazer todo o jantar de natal, jantar esse caprichado, pois era também em homenagem ao irmão. Compreendi sua situação, engoli meu tesão e depois de um tempo me despedi de todos. .......Na hora de dizer tchau a Fernando, notei um brilho estranho em seus olhos. - Ja vai? - perguntou-me, apertando minha mão. - Por que você não volta amanha? Chamei alguns amigos para uma churrasco na piscina e gostaria que você viesse. Isto é, se você não tiver nada para fazer... - Tudo bem - respondi, de imediato. .............Seria uma ótima oportunidade de vê-lo mais a vontade, de sunga, por exemplo. Como deveria ser?, pensei, ja excitado. ............No dia seguinte, cheguei meio atrasado para não dar na cara o quanto eu estava ansioso com aquele convite. A empregada abriu a porta para mim. Reparei que havia muitas pessoas na casa. ................A criada foi chamar minha namorada, mas quem veio me receber foi seu irmão. - Minha irmã acabou de subir - explicou ele, sorrindo. - Entre e fique a vontade. A casa é sua. Fiquei de queixo caído com aquele corpao todo a minha frente. ..................Como eu imaginava, Fernando tinha um corpo bem definido, escultural mesmo. Tratei de manter os óculos escuros na cara para não dar bandeira, pois era difícil desviar os olhos daquela tentação. Fomos para a piscina esperar Fernanda. ................Enquanto isso, meu cunhado ia me mostrando as fotos que ele havia tirado durante sua estada em Paris. Ele ia me relatando tudo, como era a cidade, os desfiles, os passeios. .............Em nenhum momento falou de mulheres. Numa das fotos, eu o vi desfilando só de cueca branca. - Essa ficou ótima mesmo - comentei. - Em geral as mulheres acham lindo um cara de cueca branca, não é? Ele não disse nada, apenas olhou pra mim e soltou um sorrisinho safado, que me causou arrepios............... Bem nessa hora, minha namorada chegou. Eu a beijei, mas sem muito entusiasmo, pois fiquei mesmo foi olhando para aquele deus grego mergulhando na piscina. Passado um tempo, Fernando saiu da piscina, me lançou um olhar firme e foi para o banheiro. Na hora fiquei tão excitado que a cabeça do meu pau quase saiu pra fora da minha sunga. Como Fernanda estava distraída num papo com as amigas, dei uma desculpa que o sol estava muito forte e que ia pegar uma camiseta. Fui direto para o banheiro, louco de desejo............... Assim que cheguei la, senti um corpo me abraçando por tras. Só podia ser ele. Ao sentir aquele cacete duro roçando na minha bunda, quase gozei ali mesmo, de pé naquele banheiro. ..............Sua mão enorme agarrou meu pau por cima da sunga com vontade, como se fosse o ultimo cacete que existisse na Terra. ...........Desamarrou o cordão do calção de banho e libertou meu caralho. Virou-me e caiu de boca, tratando meu pinto como um garotinho trata um sorvete. Nem Fernanda tinha aquele dom - afinal, ela odiava sexo oral. ..............Ele era maravilhoso: chupou bastante, lambeu as bolas, depois se levantou e me beijou, com uma língua gostosa e com sabor de mel. .............Ficamos nos beijando e nos 'esfregando de pé, pau com pau, numa boa briga de espadas............... Eu apalpava aquela bunda maravilhosa quando ele sussurrou, gemendo em meu ouvido: - Me chupa... Nem precisou pedir de novo. Ajoelhei de imediato e logo ja estava sentindo aquele pau delicioso preenchendo toda a minha boca.......... Ele gozou rapidamente, em jatos tão fortes, que mal deu tempo de segurar na garganta. Mas tudo bem, estava ótimo. .................Beijei-o novamente e disse que tinha de voltar para Fernanda não perceber. Foi ai que tive uma surpresa: - Ela ja sabe que sou gay - revelou-me Fernando. - E sabe inclusive que eu te achei muito gostoso. Até cheguei a pedir a ela autorização para dar em cima de você. - Mas... eu não entendo... - eu estava perplexo. - Não fiquei preocupado com isso - me disse, antes de sairmos do banheiro. ..............Ele me deu um beijo tão gostoso quanto o primeiro. .............Talvez fosse mesmo o ultimo, pois Fernando seguiria para Milão ja no dia 1' de janeiro. ......Na segunda, quando acordei, vi um envelope embaixo da porta. Abri e me deparei com a foto de Fernando desfilando a cueca, que eu tinha gostado tanto. .................Atras, a letra rápida e máscula dizia: "Te espero no reveillon, beijos". ..................Pena que não vai dar pra contar agora o que rolou naquele ano-novo. Se der, eu conto noutra ocasião. Ou não.

*****

OU DÁ OU...

Autor Desconhecido

" Namorava uma tremenda gata chamada Silvana....... Ela mora em Igaraqu do Tiete, uma cidade aqui pertinho. Fazia quatro meses que estavamos namorando e eu ja estava doidinho para come-la, mas ela recusava sempre dizendo que era virgem e estava se guardando para depois do casamento. ..........Ficavamos so nas caricias. Um dia, um colega meu amigo contoume que ja tinha saido com Silvana, uma vez, depois de um baile........ Fiquei "fodido". Resolvi dar uma de sonso e naquele sabado a noite fui até sua casa para namorarmos. ..........Quando cheguei, notei que ela estava sozinha em casa: seus pais e sua irmä mais nova tinham ido a um casamento, depois iriam a festa e so voltariam tarde da noite. Silvana estava um tesao, com uma blusa coladinha no corpo, do tipo colegial, com golinha de marinheiro e uma minissaia preta. Fomos para a sala e ela colocou uma fita do Julio Iglesias. ...........Comecei a acariciar-1he os seios por dentro da blusa. Ela gemia de prazer quando chupava seus mamilos. ..........Disse-1he: - Vou te comer agora.......... Ela tirou minhas.mäos dela e disse que nao daria, pois era virgem etc. Abri o jogo: - 0 Marcos me falou que ja te comeu, e ele nao mente pra mim. Ou voce me da, ou esta tudo acabado....... Ela começou a chorar e me contou tudo....... Disse que ele a forçou a beber bastante e se aproveitou dela. E ela nao conseguiu evitar. Eu disse a ela que isso näo importava, pois eu gostava dela assim mesmo. ........Ela parou de chorar e disse: - Me beija, tesao. Comecei a fode-la com minha lingua... Enfiei a lingua em seu ouvido. Ela gemia sem parar. Terminei de tirar-1he a blusa e sua saia. Ela estava com uma tanguinha preta que fazia um contraste lindo contra a pele clara. ......Ela sorriu quando me viu de boca aberta e disse que estava planejando dar pra mim naquela noite de qualquer jeito, pois ja näo agiientava mais. ........Arranquei-1he a tanguinha com os dentes. Deitei-a no carpete e comecei a chupar sua bocetinha deliciosa e seu suco lubrificante. ............Ela gemia tao alto que tive de implorar para ela gemer mais baixo, ou os vizinhos ouviriam... Depois que ela gozou, levantou-se e tirou toda minha roupa. ........Pegou meu pinto, que ja estava bem duro, e começou a chupa-lo como se fosse um sorvete. Quase gozei. Ao mesmo tempo, eu esfregava seus seios fartos em minha mäo. Nisso ela se deitou de novo no carpete. .......Abriu as pernas e disse: - Vem, fofo. Come a minha bocetinha. Goza dentro de mim. Me mela todinha. Ajoelhei-me e comecei a esfregar a cabeça do meu cacete em sua portinha. Ela ficou quase louca e dizia: - Ai, ai, me enfia esse pinto gostoso. Enfia tudinho. Enfiei tudo na l boceta e comecei a meter pra valer. Ela gemia sem parar e acariciava seus seios. ..........Comecei a massagear seu clitóris vigorosamente com a ponta dos dedos. Ela gritava de prazer. Nisso, gozamos juntos. Esvaziei meu saco em sua bocetinha, e ela . disse: - Ai que delicia. Que porra quentinha. Entao ela se virou e colocou-se de quatro, dizendo: - Amor, come o meu cuzinho. ..........Guardei so pra voce. É todinho seu. Meu cacete endureceu na hora ao ver aquela bunda linda. Molhei meu pinto com saliva e introduzi devagar. Ela gritou e disse que estava doendo. Mas nao parei e comecei a dar estocadas fortes. Ela urrava de dor e prazer, dizendo: - Que pinto grosso, que delicia. Fode o meu cuzinho, todinho. Estavamos os dois inebriados de prazer. ............Nisso, escutei ruidos de passos e nos viramos para a porta. Sandra, a irma mais nova, estava parada observando tudo, maravilhada. ............Paramos com a foda. Silvana se cobriu implorou que ela nao dissesse nada para ninguem. ......Não se preocupem, continuem metendo, estava lindo. .........Voltei mais cedo com o Carlos e vamos lá para o quartinho dos fundos meter gostoso tambem. .......Metemos mais um pouco e depois fomos tomar um banho e ver TV. De vez em quando escutavamos os gemidos de prazer abafados de Sandra e Carlos............ Os pais de Silvana so chegaram bern mais tarde. A partir desse dia, passamos a transar direto e a gostar mais um do outro

.

***

NA TERRA DO SOL NASCENTE

Escrito por Paulo Roberto - paulo.r @hotmail.com

Em meu trabalho acabei conhecendo um amigo de nome Paulinho. Cara legal, de 26 anos, mulherengo, e meio sabido demais com os amigos, daqueles que só querem levar vantagem................. Mas, para farrear ele era bom de transa. Começamos a sair para paquerar e tivemos bons momentos, sem muita coisa a contar............ Mas um dia, no trabalho da irmã, ele conheceu três garotas do balacobaco, ou melhor, de fechar o comércio. ......O quê? Ainda não entendeu? Bem, garotas boas de tudo. ............E foi assim que ele telefonou para minha casa, lá pelas cinco horas da tarde, dizendo que ia levar para minha casa as tais três garotas para a gente se divertir. ...Quando elas chegaram, depois do alô, saímos para fazer umas compras extras no supermercado próximo, tipo cervejinhas e comida. Voltando, foi divertidíssima a farra de todo mundo na pequena cozinha, achando que éramos grandes mestres cucas. ......Mas terminamos por conseguir fazer um jantar razoável, com um panelão de arroz cozido com pedaços de salsichas, repolho, cenoura, batata-inglesa, pimentão e pedaços de carne-seca. .............Segundo uma das "cozinheiras", isso se chamava arroz-a-carreteiro. ........O que decididamente não era, porque eu gostava de comer o arroz-a-carreteiro em alguns restaurantes e os ingredientes não eram esses......... No final bebemos mais do que cozinhamos. E o alto som comia solto, até que já pelas 11 horas da noite alguns vizinhos reclamaram e, lógico, o som foi bem diminuído. ........Eu não queria nada de aborrecimentos com o síndico. Ficou tudo na base da boate, com muitos drinques e danças. ...........Depois de muita mão-boba, o Paulinho foi se deitar na cama de casal em meu quarto, com sua escolhida e uma amiga, japonesinha linda, porém muito tímida. ...........Eu fiquei com a garota que logo que me conheceu não me largou mais. Só que ela era meio parada, sem graça, ou seja, não me atraía. Mas eu não queria arrumar problemas que só poderiam levar as três amigas a irem embora. .............Eu teria de ter muito tato na farra, senão, babau. Sendo assim, me deitei nosofá da sala com ângela, e depois de muita mão-boba ela mesmo, sem eu pedir, tirou a calcinha e ficou só de blusa, acariciando meu pau, enquanto eu fazia festinhas em seu corpo. .........Como o meu entusiasmo pela garota não era muito, só esperei ela ficar no ponto e gozamos juntos. Não demorou muito para ela dormir, mesmo porque era quem mais tinha bebido. ...............Eu, sentindo que o Paulinho tinha ido ao banheiro, levantei-me, enquanto Angela dormia, e sem fazer barulho fui até minha cama, onde estavam Margarida, garota de Paulinho, e a deliciosa e tímida japonesinha, Nikko. ..........Ao meu oi elas, sorrindo, me responderam, e eu me deitei bem no meio delas. Senti que a japonesinha, que tinha jeitinho de virgem, não tinha sido tocada pelo meu amigo. Mas Margarida, que gostava de uma sacanagem, mostrando que Paulinho não a tinha contentado, virou-se de lado para mim completamente nua e começou a tirar a minha sunga. Eu, de barriga para cima, estava com meu pensamento e meu tesão completamente voltados para Nikko, deixando assim que Margarida pegasse minha piroca e fizesse com ela o que mais lhe apetecesse, enquanto minha mão apertava a macia mãozinha da japonesinha. Fechei os olhos e pensei que minha piroca estava sendo usada por Nikko e não por Margarida. Não demorou muito e Margarida, cheia de tesão, gemendo, veio por cima de mim e se enfiou todinha no meu pau, começando o vai e vem da foda. Enquanto ela me usava, eu apertava cada vez mais a mãozinha de Nikko, até que, não aguentando mais de vontade, peguei o short da japonesinha e abrindo seu zíper enfiei com frenesi a mão por cima da sua pentelhada macia e morna. Comecei a fazer mil carinhos na bocetinha dela, e ela, toda trêmula, começou a rebolar na minha mão, gemendo, enquanto a outra, Margarida, gritava alto, gozando em cima de mim. Foi aí que Paulinho saiu do banheiro, meio caído, e vendo a cena de sua garota me fodendo, riu e disse: ..........- Oba, transa legal, hein? Foi bom prque agora eu só quero dormir um pouco. Tou com o fígado doendo muito. Bebi demais. .......................Assim falando, ele se deitou junto a Margarida, enquanto eu no meio da cama, fiquei virado para o lado da japonesinha, sempre com seus lindos olhos bem fechados. Até penso que ninguém notou meu início de sacanagem com Nikko. Já com o casal roncando ao meu lado, retornei ao ataque à meiga japonesinha............ Puxei seu shortinho, de um tecido muito fino, e consegui tira-lo. Em seguida, muito trêmulo e nervoso, porque tinha ouvida falar bastante do amor das japonesinhas, mas nunca tinha comido nenhuma, não me contive, e tirando todas as minhas roupas fui para cima dela, colocando meu rosto em seu ventre macio, branquinho e perfumado. Minha lingua quase que completamente descontrolada invadiu aquele buraquinho delicioso e lambi, mordi, chupei, fiz de tudo que uma boca pode fazer em cima de um sexo. Nikko se retorcia toda, sempre gemendo baixinho. Até que me disse ao ouvido:

............- Vamos para o banheiro. ................Respondi tá e nos trancamos no banheiro. Como uma das minhas taras e foder com bastante luz, porque quero ver tudinho, tirei o sutiã da japonesinha e a coloquei reclinada sobre o vaso sanitário, com a tampa fechada, em sentido oblíquo. Ela, com uma vozinha baixa e aveludada disse que era virgem e não sabia porque até então ninguém a desejara. ...........Eu respondi que talvez por sua extrema beleza e suavidade, que tinham me deixado louco de tesão por ela............ Até casar, disse a ela, se fosse seu desejo, eu casaria, com muito amor. Rindo com graça incomum, ela me revelou que Também não precisava chegar a tanto, bastando que a amasse, porque desde que abri a porta para ela e suas amigas ela havia simpatizado comigo. Isto dito, abracei-a e beijei-a longamente, com muito ardor e mesmo paixão. Foram muitos beijos cheios de amor e, lógico, de tesão, enquanto minhas mãoes não paravam de acariciar aquele delicioso corpinho tão macio e tão branquinho de gueixa oriental. ...............Depois de muitos carinhos, introduzi com suavidade um dedo em sua bocetinha e chupei demoradamente seus seios de ninfeta. Ela gemia de prazer, e aí achei que era o momento de descer minha boca suavemente e prazeirosamente pelo seu ventre e, depois, demoradamente, até sua boceta, onde coloquei seu clitóris, ou grelinho, já durinho de tesão entre os meus dentes e com carinho o rodeava entremeando com lambidas e chupadas........... Fazendo de tudo para não gozar, porque minha piroca parecia que ia estourar de tanto tesão, achei que era hora de mudar de sacanagem. Virei a japonesinha de costas para mim e enquanto começava a lamber aquelas deliciosas nádegas branquinhas, minhas mãos lhe davam palmadas, uma em cadanádega, não com muita força, mas o suficiente para avermelhar um pouco, sendo que Nikko gemia alto de prazer a cada palmada, mostrando que estava gostando e que isso lhe dava muito tesão. Finalmente introduzi minha língua no botãozinho rosado de sua bundinha, e ela começou a falar:

- Mais... mais, por favor. ...............Depois de alguns minutos assim, eu lhe disse que sua bundinha já estava pronta para ser enrabada, e que assim ela não precisava perder a virgindade................ Ela respondeu que eu fizesse o que me desse mais prazer, porque tudo a faria gozar, e muito. Com isso, peguei um creme especial perfumado e lubrifiquei bem a cabeça da minha piroca, e aí, devagarinho, comecei a enrabá-la. Pouco a pouco a cabeça do pau foi entrando no seu cuzinho, com ela sempre gemendo de prazer, e eu com muito carinho, porque estava mesmo gostando da japonesinha, ia entrando...entrando naquela maravilhosa bundinha. .............Enquanto isso minha mão fazia mil massagens em seu ventre, e introduzi um dedo da outra mão na sua bocetinha, fazendo-a delirar de tesão. E minha piroca foi entrando macio... macio, na sua bundinha, até que o saco encostou. ...............Tinha entrado tudo! Ela estava com seu cuzinho todo penetrado. Começamos a cavalgar, cadenciando as reboladas da bunda de Nikko com minhas investidas de piroca. ..................Parecia que tínhamos nascido um para o outro, tamanha era a sintonia de nossa foda. Com muitos gemidos e sacudidas terminamos por explodir em gozo total. ............Éramos um verdadeiro vulcão de esperma. ................Uma loucura que todo mundo pelo menos um dia deveria sentir. Um fodão, na acepção da palavra................ Em seguida, aproveitando o fato de estarmos no banheiro, uma boa chuveirada para os dois foi uma maravilha. ................Eu a ensaboei e ela me ensaboou................ Mas de tanto nos ensaboarmos, estava eu ensaboando com muito carinho e mais tesão sua bocetinha, quando, sentindo um suspiro maior da japonesinha, olhei para ela, que segurava minha piroca toda ensaboada com muita doçura, e perguntei: ........ O que foi? .............Ela respondeu: ............- Não é nada, não. Só que eu pensei...será que este não é o momento melhor, pois já que eu dei minha bundinha para o homem que eu quero, não é hora também de aproveitar e dar minha virgindade, minha bocetinha para ele? .................Cheio de gratidão à minha deusinha japonesinha, pela sinceridade de seus sentimentos, lhe dei um gostoso beijo na boca e coloquei duas toalhas grandes de banho no chão. ............Em seguida ela deitou com a barriguinha para cima, e aí recomecei o banho de língua naquele corpinho delicioso.............. Mas quando eu estava chupando demoradamente sua bocetinha, Nikko me pediu para eu lh e dar minha piroca, porque ela também queria chupar, como retribuição ao prazer que eu lhe estava proporcionando.............. Sopa no mel. .............Numa foda, o parceiro sempre deve retribuir o carinho feito pelo outro. Foi assim que eu, ch eio de vontade, ataquei com o célebre e delicioso 69, chupando e sendo ch upado. A japonesinha era de uma maestria incrível, o que me deixava intri gado, porque eu como ninguém sabia de sua virgindade, não só ; na bocetinha como na bundinha também. Enfim, coisas do Japão, ta lvez livros especializados expliquem com detalhes como isso acontece. O fato é que ela me chupava como poucas mulheres até hoje me chuparam. ........................Era de enlouquecer, de tanto tesão, o que me fez fazer de tudo para retribuir tanto carinho de Nikko............. Finalmente achei que depois de tantas deliciosas chupadas de parte a parte, e tantos gemidos, chegara a hora de eu torná-la mulher. Coloquei-a sentada na beira da banheira, toda forrada com muitas toalhas, a maior parte do corpo virada para dentro, o que fazia sua bocetinha ficar bem mais saliente para mim na beirada, as coxas bem abertas e a bundinha apoiada, com que me dizendo: "Me come logo, safado." Segurando a piroca, com muito carinho comecei a abrir os grandes lábios da bocetinha.............. Empurrei só um pouquinho a cabeçona dura de tesão do cacete e parei, não empurrando mais e sim, com a ajuda da mão, rodando a cabeça na boceta para amaciá-la. Nikko estremecia toda, e eu jurava a mim mesmo que tinha que caprichar naquela foda, e muito, porque ela merecia................... Enquanto isso um dedo da outra mão era introduzido na sua bundinha, para empurrar Nikko contra minha piroca. ................E foi assim que pouco a pouco fui metendo, centímetro por centémetro, a piroca na bocetinha virgem. ..............Até que sentindo a resistência do hímem dei uma empurrada mais forte e... pronto, a pica entrou todinha. ............Foi um gozo indescritível, e muito prazeroso. Transamos quase três meses, depois choramos muito, quando ela disse que sua família ia voltar para o Japão, onde ela ia se casar com um prometido, por acordo entre as duas famílias............ Sofri muito e acredito que ela também. Aqui escrevendo páro um pouco e penso que ela pelo menos deve estar feliz na linda terra do Sol Nascente, junto com sua nova família. ................Boa sorte minha suave lembrança da linda mulher-criança.

Nenhum comentário: