6.22.2009

MEU AMANTE LATINO NO METRÔ


(Autor Desconhecido)
" Todo o dia eu pego o metrô de para ir trabalhar. Normalmente, pela manhã está lotado, com muitos pessoas que se esmagam nos vagões. Não é raro alguém se esfregar nos meus peitos minha bunda. Na maioria das vezes, eu tenho que acreditar não é intencional. Às vezes eles demoram. Nunca eu fico brava. Para ser sincera, eu acho isto excitante, um completo estranho que me toca em público. Desde que eu dei o fora no meu namorado há algumas semanas, eu tenho tido fantasias com outras caras. Na bilheteria, um passageiro comentava sobre alguns trabalhos que estavam fazendo no metrô, e era provável uma demora hoje no túnel.. Era possível que o trem parasse uma meia hora, talvez mais. Quase volto para casa. Mas como eu tinha serviço atrasado, decidi que eu tinha de entrar. Ainda hesitante, eu peguei meu bilhete e desci à plataforma para esperar pelo trem. Era outono e eu estava vestida para um tempo moderado. Eu usava uma blusa tipo de suéter, e uma saia que ia até os joelhos. Na plataforma, eu esperei pelo trem. A plataforma estava um pouco mais abarrotado que habitual. O trem chegou rápido. Estava lotado. Entrei e as portas fecharam. Segurei-me num poste, peguei um livro e comecei a ler. Nas primeiras três ou quatro paradas, o trem se moveu à velocidade normal. Infelizmente, foi se acumulando o contigente das pessoas ao meu redor. Eu estava um pouco abrigada pelos corpos delas. O trem reduzia a velocidade e deslizava entre estações Foi durante uma das paradas que eu senti uma mão descansando ligeiramente perto de minha bunda. Os dedos estavam apertando com suavidade minha saia, à altura das minhas nádegas. Eu sabia que eu deveria fazer algo para parar aquilo, mas eu me fingia inocente, e depois de não ter sexo para mais de duas semanas, eu estava necessitada... A palma da mão dele apertou ligeiramente bem perto do meu cú. Eu empurrei minha bunda para trás, ao encontro de sua mão, sinalizando minha consciência de suas ações dele. O trem de começa a mover-se novamente e o meu "molestador" apertava a bochecha de meu cú firmemente. Ele começou a mover a mão dele por baixo de minha saia e espalmou minha bunda de forma consciente. Eu o sentia percorrer a extremidade de minha calcinha. Minha boceta começou a ficar quente e úmida. Ele seguiu até o topo de minha calcinha. A mão dele apertou minha perna. O trem estava tão lotado que ninguém entrava mais nos pontos. Assim que o trem deixava uma estação, eu sentia a parte de trás de minha saia subindo. Eu queria saber como ele pensava que podia fazer aquilo em um trem de metrô abarrotado com pessoas ao redor de nós. Eu sentia o líquido que gotejava de minha boceta em minha calcinha. Suas ações ficavam cada vez mais rápidas. Enquanto a uma mão dele vagou livremente em cima de minha calcinha e cobriu o meu cú, esfregando-o, e apertando-o, sua outra mão alcançou para minha mão livre perto dele e a levou ao cacete dele, por cima da calça. Ele apertou minha mão no cacete dele. Estava bem duro. Ele movia minha mão de cima abaixo por cima de seu cacete. Quando ele parou, eu mesma continuei esfregando o cacete dele por conta própria. A outra mão dele baixou minha calcinha ligeiramente, e os dedos dele estavam abaixo minha calcinha. Em metrô abarrotado, m sujeito que eu não conhecia estava dentro de minha calcinha com a mão dele em meu cú enquanto eu lhe tocava uma punheta! Como ele apertava as carnes de minha bunda, a outra mão dele deslizou debaixo de meu suéter na frente e explorou minha barriga e os meus seios. O trem começou a mover novamente e a mão dele meteu-se na racha de minha bunda e tocou meu cú, enquanto seus dedos brincavam com os meus seios. Ele pegou o meu mamilo por cima de meu sutiã e o fez ficar durinho. Já que ele ficava corajoso, assim também eu ficava. Tirei minha mão do cacete dele e baixei o seu zíper, pondo minha mão dentro das calças dele. Ele não estava usando nenhuma roupa íntima. Eu achei o cacete dele e corri meus dedos ao longo da carne do seu cacete nu. Enquanto isso, uma mão dele já tinha aberto o meu sutiã e um dedo seu estava bem cima de meu cuzinho. Eu tirei o cacete dele das calças dele. Eu inspecionei sua envergadura com minha mão. Eu medi uns 25 centímetros. Ele era tão grosso que eu nem podia fechar completamente minha mão ao seu redor. Senti a mão dele lagar os meus seios e entrar por baixo de minha saia. Ele levantou minha saia para cima e correu os dedos dele junto à parte interna de minhas coxas. Meu gozo escorria de minha boceta e ele descansou a mão na frente de minha calcinha e esfregou a racha de minha boceta. Ele enfiou a mão dentro de minha calcinha e seus dedos dele moveram-se por meus pentelhos e procuraram o buraco da boceta. Agora eu estava sendo fodida de ambos os lados, na minha boceta e no meu cú. Ele arrancou o dedo dele do buraco do meu cú e correu a mão dele ao redor dentro de minha calcinha pelos meus quadris. Ele tirou minha calcinha fora. A mão em minha boceta estava agora totalmente livre. A foda com os dedos ficava mais rápida. Eu já tinha tido meu terceiro orgasmo! Ele colocou a outra mão por baixo de meu suéter e novamente afagou meus peitos nus. O trem entrou em outra estação. Enquanto nós explorávamos os corpos um do outro, o trem parou durante alguns minutos antes de deixar a estação lentamente. Só fora da estação, o condutor anunciou pelo alto-falante: " Senhoras e senhores, nós fomos informados que há trabalhadores nos túneis e o serviço levará de meia hora, a 45 minutos. Se soubéssemos, teríamos ficado na estação, mas não há outro jeito. Desculpem-nos pelo inconveniente, mas é uma situação de emergência" Algumas pessoas começaram a reclamar . O meu "amante" aproveitou para me virar de frente a ele. Até este tempo eu não tinha visto a pessoa com quem eu estava transando. Ele parceria ser latino, com uns 20 anos. Minha calcinha estava no bolso de sua camisa dele. Eu não podia acreditar que uma menina judia como eu estava a ponto de deixar um latino me foder, mas eu queria aquilo e ele também. Ele levantou minha, puxou os meus quadris e apertou o cacete dele contra minha boceta. As mãos dele seguraram a minha bunda. Eu guiei o cacete dele em cima de minha boceta, e ele deslizou duro e pulsante, esfolando a minha. Eu teve um orgasmo quando ele empurrou profundamente em minha grutinha. As mãos dele em minha bunda guiaram meu movimento de foda, para frente e para trás.. Ele tirou a mão dele brevemente de meu cú e levou minha calcinha do bolso dele e a colou na sua na boca. Ele chupou meu gozo que estava na calcinha. Aí desabotoou o topo de meu suéter e expôs meus mamilos eretos. Ele levou minha calcinha da boca dele e os recolocou no bolso de sua camisa. Ele abaixou a cabeça chupava cada um dos mamilos Corria a língua por cima e chupava e mordia ligeiramente. O tempo todo ele continuava me fodendo e apertando minha bunda. Eu sentia as punhaladas dele ficarem mais rápidas e soube que gozaria logo. Eu apertei os músculos da boceta ao redor do cacete dele tentando ordenhar o gozo de seu cacete longo e duro. Ele agarrou minhas bochechas do cú e empurrado em mim até onde o cacete dele pudesse ir. Eu sentia o cacete dele pulsando quando ele encheu minha boceta de judia branca com o seu gozo de latino. Depois de alguns segundos eu gozava mais uma vez. Ele retirou o seu pau e o enxugou com a minha calcinha. Depois, ele pegou a calcinha e esfregou na minha boceta, limpando o seu gozo e meus sucos, o máximo que ele pôde. Ele trouxe então minha calcinha para minha face e eu a aceitei em minha boca. Eu chupei o gozo e o meu, diretamente de minha calcinha! O condutor voltou a falar no alto-falante, avisando que mais 20 minutos e o túnel estaria liberado. Enquanto eu chupava minha calcinha, o cara estava tocando minha boceta e estava lubrificando o buraco de meu cuzinho com meus sucos da boceta. Quando meu cú estava molhado o bastante, ele começou a enfiar um dedo e mais outro. As mãos dele moveram-se pelos meus quadris e ele me virou de costas. Ele estava querendo comer o meu cú dentro do metrô!. Eu nunca sido fodida no cú antes, mas eu superei o medo com a necessidade sexual e quando ele arreganhou minhas bochechas da bunda, eu alcancei o cacete dele e o guiei o para meu cuzinho virgem. Eu chupava mais forte a minha calcinha enquanto ele deslizava o cacete dele em meu cú. No princípio, doeu um pouco, mas fui me acostumando com aquela rôla dentro de mim . As mãos dele deixaram meus quadris, ficando uma nos meus seios e a outra novamente ergueu a frente de minha saia e tocou minha boceta, com um o tocando o meu grelo. O latino fodeu o meu cú e tocou a minha boceta e peito durante vários minutos. Depois suas mãos voltaram para os meu quadris e ele se moveu mais rápido, jorrando o seu gozo dentro do meu cú. Um minuto depois, ele puxou o cacete dele fora e, as mãos dele em meus quadris novamente, me viraram para frente dele. Na escuridão eu não o pude ver. Eu sentia os lábios dele me tocarem e ele beijou minha boca aberta. A língua dele passou meus lábios e achou a minha. Ele me beijou apaixonadamente durante um minuto ou assim, então, ele moveu as mãos dele de meus quadris para meus ombros e me empurrou para baixo firmemente. Eu percebi então que ele queria que eu chupasse. Eu senti o cacete dele ao longo de minha bochecha. Eu o peguei com a boca e levei o corri minha língua por toda a sua extensão e comecei a chupá-lo. Eu provava os restos do gozo dele como também o sabor de meu cú. O cacete dele começou a endurecer Eu pude levar o pau dele até a minha garganta eu movi minha cabeça de um lado para outro ao longo do seu cacete duro. Eu ouvi o ruído de suas calças caindo e então alcancei suas bolas. Ele segurou minha cabeça e começou a guiar os meus movimentos Eu continuei chupando o cacete dele e sacudia a minha língua desde a base até a cabeça do pau. Quando eu chupava as suas bolas, ele se virou e o cú dele ficou na minha cara. Neste momento, eu faria qualquer coisa. Eu arreganhei as bochechas de sua bunda e procurei o buraco do seu cú dele com a minha língua. Quando eu achei, eu lambi, beijei e chupei a seu cú apertado. Eu fiz minha língua tão dura quanto possível e explorei o cú dele o máximo que eu pude. O pensamento de beijar o cú de um desconhecido bastou para me fazer gozar novamente. Como eu chupava o cú dele, eu segurava o cacete com uma das mãos. Ai ele se virou mais uma vez e meus lábios voltaram para o seu cacete dele. Nesta hora, ele segurou minha cabeça começou a foder a minha boca.. O seu pau entrava e saía da minha boca rapidamente. Eu usava minha língua sempre que podia para lambê-lo. De repente, ele enterrou minha face no cabelo púbico dele, o cacete dele no fundo minha garganta e arremessou o seu gozo pegajoso e morno em minha boca. Eu lambi cada gota que eu pude. Ele segurou minha cabeça e manteve o cacete dele em minha boca. Eu sentia o cacete dele ficar flácido entre meus lábios, mas ele não deixava eu me levantar. Eu tinha medo que ligassem as luzes e alguém nos vissem! Mas ele continuava a me segurado lá, pelos ombros. De repente, eu senti um líquido saindo do cacete flácido dele. Ele estava mijando em minha boca! Eu tentei parar mas o cacete dele encheu minha boca. Eu não tive nenhuma escolha senão tentar tragar o máximo de seu mijo. Como era muito, encheu a minha boca e começo a derramar pelo meu pescoço. Ainda mijando, ele arrancou o pau da minha boca e apontou para a minha cabeça. O mijo dele caía por toda parte de minha face e meu cabelo, escorrendo pelo meu tórax. Eu não sei por que, mas eu ajoelhei na frente obedientemente dele. Meu único movimento era erguer meus peitos assim eles seriam cobertos completamente com o mijo morno dele. Ele me deu minha calcinha para segurar e assim ele também pôs mijo nela. Quando ele acabou, eu usei minha língua no seu cacete, para lambê-lo e deixá-lo limpo. Com as mãos dele, ele fez que levantasse. Quando eu fiz isso, ele ergueu minha saia com uma mão e levou minha calcinha na outro. Pelos seus movimentos, eu percebi que ele queria me vestir a calcinha, toda empapada com a urina dele. Eu vesti e o mijo dele vazou em minha boceta. Eu me recompus, abotoando o suéter e ajeitando a saia, enquanto ele ajeitava as calças. Eu ouvi algumas pessoas reclamando do cheiro da urina. As luzes vieram um pouco depois e o meu amante latino tinha ido embora. Havia mijo em minha face e roupas. O trem começou a mover. Por sorte, as pessoas não perceberam que era eu o motivo de suas reclamações. Na próxima parada, eu desci do trem. Eu não pude ir trabalhar. Voltei no primeiro trem. Como estava no movimento contrário, estava quase vazio e eu peguei um assento. Sentei e comecei a pensar sobre o que atinha me acontecido na última hora. Alguém se sentou próximo a mim. Era meu amante latino..." "

Nenhum comentário: