4.28.2009

VIAGEM DE PRAZER


--------------------------------------------------------------------------------
escrito por Michael (hotman_sp@hotmail.com)
" Tânia e eu nos conhecemos numa destas salas de bate-papo de sexo na Internet, há uns seis meses atrás. O resultado deste casual encontro foi tão excitante que resolvi compartilhar a experiência com vocês neste site. Logo de início, ficou clara a atração mútua entre nós. A cada "encontro" virtual nossos papos ficavam cada vez mais íntimos, e nossas transas mais selvagens e gostosas.................. Conseguíamos liberar ali todas as nossas fantasias e desejos, podíamos falar abertamente sobre tudo o que queríamos e gostaríamos de sentir, sem o medo da censura e incompreensão de nossos parceiros (tanto eu como ela somos casados). Embora com um ritmo de trabalho bastante intenso, sempre conseguíamos algum tempo para uma transa virtual, sempre acompanhado de um gostoso bate-papo, ora excitante e picante, ora delicado e apenas sensual... Não demorou muito para que trocássemos telefones e a primeira conversa ao vivo foi excitante. ..........Tânia possuia uma voz levemente rouca, que insinuava uma mulher sensual e cativante. Passamos quase uma hora ao telefone, e combinamos de nos falarmos mais vezes, sempre em dias e horários pré-determinados, para não levantar suspeitas...
Ao final de três semanas de tesão virtual, tomamos coragem de nos conhecer pessoalmente. Uma viagem de negócios que eu faria ao Paraná coincidiu com uma reunião da equipe dela, também em Curitiba. Ficaríamos durante uma semana inteira praticamente livres para realizarmos nossos mais íntimos desejos................ Conseguimos reservas para o mesmo hotel, o que facilitou as coisas. ....................Como nunca havíamos nos visto pessoalmente, marcamos de nos encontrar durante o jantar no restaurante do hotel, cada um vestindo uma roupa combinada para melhor nos identificar sem enganos. ...............Confesso que ao vê-la sentada à mesa, pela primeira vez, fiquei muito mais feliz do que poderia imaginar............... Embora tivéssemos feito nossas descrições um para o outro durante os papos, nada se comparou ao vê-la pessoalmente...........
Tânia, como sua voz já sugeria, é uma mulher muito sensual, cabelos loiros (naturais, como eu comprovaria mais tarde) cacheados bem compridos, cerca de 1,70m, cinturinha fina e bem marcada pelo quadril de bundinha empinada. .............Ela usava um vestido de antílope que marcava bem sua silhueta esguia, com um generoso decote que deixava à mostra boa parte de suas costas e seus maravilhosos seios. .............Seus olhos verdes, brilhantes, deixavam qualquer um hipnotizado, além de lábios carnudos, que completavam um rosto diabolicamente angelical, um mixto de menina ingênua e mulher fatal ao mesmo tempo. ...............Ela também gostou do que viu : sou loiro, 1,77m, e olhos esverdeados que pareceram ser de raio-X à primeira vez que a vi. .............Nos sentamos, no início um pouco encabulados, mas ao final, já era evidente a aprovação mútua, e o desejo incontido que cada um nutria há tempos. ...............Mas resolvi dar um toque especial, algo para prolongar e aumentar o desejo até o momento crucial. Sugeri de sairmos do hotel para darmos uma volta pela cidade........... Ela me pediu então para esperar um pouco, pois iria ao seu quarto trocar de roupa, já que fazia algum frio aquela noite e seu vestido não seria adequado para um passeio.......... Fiquei aguardando no lobby do hotel e então Tânia desceu, desta vez vestindo um casaco comprido de couro, tipo um sobretudo, com sapatos de saltos não muito altos e finos. ............Confesso que na hora imaginei como ela estaria por baixo daquilo e cheguei a perguntar, mas ela disse que seria minha surpresa de final de noite.
............Fomos tomar um café e um licor, e durante estes momentos, ficamos de mãos dadas ou abraçadinhos como dois namorados adolescentes..................... Na volta para o hotel, já não aguentando o tesão que tomava conta de nossos corpos, abracei-a e nossos lábios se colaram num beijo molhado e sensual, nossos corpos se grudaram e pudemos sentir o calor emanando de nossas peles eletrizadas pelo tesão. Após o longo beijo, em que nossas línguas se enroscaram e passearam loucamente por nossos lábios, fomos rapidamente para o meu quarto. Tentei agarrá-la dentro do próprio elevador, já que entramos nele sozinhos, mas ela disse que queria me fazer uma surpresa............... Era incontrolável o tesão que sentíamos àquela altura... Chegando no quarto, ela me pediu para deitar na cama e apagar algumas luzes, de modo que apenas a luz do abajur da cabeceira da cama deixasse o quarto numa penumbra............. Ela então, com movimentos leves e sensuais, ligou o rádio e escolheu uma estação que tocava uma música lenta, mas muito gostosa. Vagarosamente, ela se colocou à frente da cama. ...............Atrás dela um grande espelho deixava que eu visse também suas costas.
Ela começou então a dançar suave e sensualmente, deslocando seus quadris de forma provocante, e mexendo em seus lindos cabelos, levantando-os, virando-se de costas pra mim, e deixando-os cair lentamente enquanto curvava-se para trás, podendo assim perceber meu olhar de aprovação e perceber o volume que se formava em minha calça................. Ela se virou então e abriu o casaco, apenas o suficiente para que eu visse que ela usava um espartilho preto rendado que deixava um par de seios grandes mas firmes e empinados à mostra, com biquinhos rosados já durinhos. Ela usava também uma cinta-liga que segurava meias brilhantes que marcavam ainda mais seu quadril e suas pernas compridas e esguias, de pele bem lisa. .................Estratégicamente vestida sobre a cinta-liga, uma minuscula calcinha de renda bem transparente já se enfiava em sua vulva, deixando à mostra pelos dourados bem aparados, e a marca de biquini, contrastando sua pele dourada com a marca branquíssima perto do púbis. .............Aquela visão me deixou completamente enlouquecido e eu já queria tirar minha roupa também, mas ela colocou um pé sobre meu corpo, passando o recado que eu deveria esperar que ela fizesse seu show, um show particular só pra mim. ................Com o casaco aberto, ela se aproximou de mim e começou a desabotoar minha camisa, beijando cada centímetro de meu peito que se descobria a cada botão.
Terminei de tirar a camisa enquanto ela agora se incumbia do cinto e de desabotoar minha calça. Quando abriu o zíper, meu pau, a esta altura já estourando pela cueca, saiu pra fora, fazendo-a soltar um gemido de tesão que fez meu cacete latejar mais ainda............... Ela terminou de tira minhas calças e as meias e, ficando ajoelhada sobre minhas coxas, foi tirando minha cueca. Então ela pode ver todo o meu mastro, vermelho e latejante, apontando em sua direção. Ela rebolava de tesão, gemia e passava as mãos sobre seus seios, dizia que o de seu marido era bom, mas o meu parecia ser muito mais gostoso e maior, e que ela queria comprovar isso mais do que nunca.
Ela agarrou minha vara com as duas mãos, apertando-o e fazendo com que a cabeçorra ficasse ainda maior. Tirou o casaco, e eu aproveitei pra tirar sua calcinha. A visão daquele pedaço de renda atolado em sua vulva e bundinha saindo todo molhadinho me deixou ainda mais maluco de tesão................. Ela voltou a agarrar meu membro e, lentamente, subia e descia suas mãos delicadas, começando uma punheta maravilhosa enquanto esfregava sua vulva em minhas coxas, gemendo ao remexer seu quadril pra lá e pra cá. Eu já sentia seus sumos escorrendo e molhando minhas pernas, quando ela se abaixou e começou a abocanhar meu membro, primeiro a cabeçorra brilhante e latejante, depois, sugando e passando a língua ao redor, foi enfiando mais e mais, até ficar com ele todo na boca, enfiado até a garganta. .................Juro que não sei como ela conseguiu, mas a danada sabia fazer um boquete como ninguém. Mantendo uma mão ainda em meu cacete e a outra tocando uma siririca frenética, ela voltou a me punhetar, dessa vez com a ajuda de sua maravilhosa boquinha macia, de lábios quentes e carnudos................... Ela subia e descia sua mão e boca, ora apertando, ora sugando, ora lambendo, e enfia um, depois dois dedinhos em sua vagina que destilava um líquido de cheiro avassaladoramente excitante e gostoso. Não me contive, eu me contorcia e gemia junto com ela, éramos dois animais no cio prestes a estourar de prazer e tesão, quando estendi minhas mãos e agarrei seu quadril. ..............Enfiei minha mão por suas pernas, rocei seu grelinho endurecido e molhado, e comecei a massageá-la, desde o cuzinho até o grelinho. A cada roçada, desde lá de trás até a frente, ela gemia cada vez mais e mais alto, arqueando o corpo quando eu passava os dedos e dava uma enfiadinha de leve em sua bucetinha.
Ela se virou de costas, ainda agarrando meu pau, e com ele ainda na boca me pediu que a chupasse também, oferecendo uma bundinha redondinha e empinada, com um cuzinho rosado bem apertadinho e uma vulva inchada, da qual se destacava o grelho avermelhado, brilhante, enorme, todo molhado. ....................Abri sua vulva, deixando à mostra a vagina da qual já pingava um mel delicioso e não me contive, puxei aquela anca maravilhosa para o meu rosto e enfiei minha língua com tudo naquela gruta úmida, quente e apertadinha. ..............Não fiquei surpreso ao sentir o quão apertadinha ela era, pois já havia me confessado que seu marido nunca foi de curtí-la na cama, preferindo outras mulheres que ele julgava que ela não sabia. Na hora pensei que ele não sabia o que tinha nas mãos, realmente, mas resolvi dar então a ela o que ela merecia, dar todo o meu tesão e satisfazê-la completamente como mulher, quebrar todos os seus tabus, e ao mesmo tempo satisfazer todos os meus desejos de macho com aquela mulher maravilhosa no cio. .........................A cada lambida que eu dava, a cada passada sobre seu cuzinho, eu a sentia mais voraz em meu cacete, gemendo e grunhindo coisas incompreensíveis, rebolando cada vez mais e apertando seu quadril contra meu rosto. Já toda molhada, com minha saliva e seus próprios sumos, comecei a circular seu anelzinho rosado com meu dedo, e logo ouvi ela dizer que se eu quizesse, podia enfia o dedo pois ela estava para gozar e gostaria de fazê-lo com meu dedo em seu cuzinho e minha lingua em sua gruta. Imediatamente fiz as duas coisas ao mesmo tempo, não dando tempo para ela reagir................ Dei duas enfiadas e ela apertou meu pau com mais força ainda, começou a sugar intensamente e eu senti ela arquear o corpo enquanto uma convulsão a fazia tremer toda, senti sua pele se arrepiar, ela tirou meu pau da boca e deitou-se sobre ele, apertando-o entre os seios, abraçando minha bunda, enquanto eu continuava enfiando e lambendo, aproveitando cada movimento proporcionado por aquele gozo intenso, que a fez jorrar um líquido deliciosamente quente em minha língua. Sentindo aquele terremoto sacudindo o corpo dela, e seus seios se esfregando em meu caralho, também não me contive e anunciei meu gozo. ....................Ela rapidamente abocanhou meu pau novamente e bateu mais uma punhetinha, e começou a sorver gulosa os jatos que jorravam do meu membro latejante. Gemíamos e nos lambíamos, beijávamos cada parte de nosso corpo que nossas bocas podiam alcançar e, após uma intensa onda de prazer, deitamo-nos lado a lado, abraçando nossos corpos deliciosamente, curtindo a sensação de embriaguês proporcionada pela intensa descarga de hormônios desencadeada pelo nosso ato selvagem de entrega mútua. .................
Ficamos nos beijando e se acariciando um longo tempo, quando finalmente estávamos descanssados e preparados para mais loucuras. A fim de realizarmos uma de nossas fantasias, embora não sejamos de modo algum ligados em sado-masô, ela me pediu que amarrasse seus pulsos à cabeceira da cama............. Coloquei-a então de quatro, virada contra a cabeceira da cama, e amarrei seus pulsos delicadamente com a tira de couro de seu casaco, não muito apertado, mas de modo a dificultar que ela se soltasse. Ela se apoiava sobre a cabeceira e arqueava suas costas, empinando sua bundinha, uma visão que me deixa extremamente louco, e ela sabia disso. Além disso, sua bundinha era tão maravilhosa que bastava pouco para deixar qualquer homem em riste. Dono total da situação agora, passei a massagear lenta e fortemente seu corpo. Minhas mãos acariciavam cada parte daquela pele macia coberta por uma penugem dourada.................... Desabotoei seu espartilho e libertei aquele corpo lindo, segurando então seus seios agora livres totalmente para serem sugados com carinho e tesão. Me enfiei por baixou de suas pernas, roçando meu peito em sua vulva, e cheguei aos seus maravilhosos peitos. Nunca havia visto peitos tão firmes e empinados, macios, cheirosos. E o melhor é que aquilo tudo era natural, jamais ela havia feito plástica, e com certeza, não precisava mesmo... Comecei a sugá-la, mamando intensamente, acariciando seus seios com minhas mãos ágeis, ao mesmo tempo que massageava sua nuca. ....................Ela se contorcia, esfregava sua nuca em minhas mãos, deixava os cabelos caírem sobre meu corpo, mas não se continha ao sentir que não podia me tocar. Isto a fazia gemer e se contorcer mais ainda, ela começou a esfregar seu quadril contra o meu, esfregava sua vagina em meu pau, tentando encaixá-la nele, mas não conseguia................ Eu, por minha vez, não ajudava mesmo, me concentrando em seus biquinhos durinhos, pois eu queria penetrá-la de modo mais intenso. Quando ela começou a gemer mais alto, me pedindo para fudê-la, pois era o que ela estava esperando há seis meses, se masturbava quando seu marido não estava em casa com os lençois entre as pernas, imaginando minha tora arrombando sua buceta carente, saí debaixo dela e me coloquei atrás daquela bundinha macia. Ela tentou virar a cabeça o mais que pode para observar como estava meu caralho, mas não precisou fazer muito esforço para observar o volume do enorme mastro que se encostava contra seu reguinho. ....................Adoro fazer isso, encostar minhas bolas contra a vulva molhada e cheia de desejo de uma mulher enquant esfrego toda a extensão de minha benga pelo rego da bunda arrebitada. Isto a fez ficar mais tesuda, se remexia toda, tentava se desvencilhar da cabeceira mas não conseguia, e o máximo que podia fazer, além de implorar para ser arregaçada, era se rebolar toda e comprimir seu quadril contra minha virilha. Eu comecei a realizar os mesmos movimentos que ela, em sentido contrário, de modo que começamos a afastar um pouco e comprimir nossos quadris num ritmo gostoso, como que ensaiando o que viria pela frente..................... Numa destas afastadas, posicionei melhor a cabeça para deslizar vagina adentro, e como estávamos super molhados, não foi difícil enterrar minha vara toda numa única estocada, que chegou até as bolas encostarem em seu grelho, fazendo-a soltar um grito agudo, mixto de dor (pois há algumas semanas não transava, e meu mastro era bem mais grosso do que estava acostumada) e de prazer intenso. ............Me aproximei de suas costas, agarrando seus seios e beijando carinhosamente sua nuca, para amenizar o ardor inicial que ela sentia. ............Mas logo ela se refez do "enorme" susto, e me disse, com aquela voz rouca e sensual, com uma carinha mais safada que nunca, que agora estávamos como ela imaginou desde nossa primeira transa virtual, e que devíamos soltar os animais que haviam dentro de nossos corpos. ................Como que em transe, ela começou a se remexer e rebolar, a contorcer o quadril e a apertar com sua vagina meu pau. Eu comecei então a enfiar e tirar quase tudo, fazendo com que cada nova enfiada fosse como a primeira, fazendo deslizar para dentro dela desde a cabeça inchadona até as bolas. Eu agarrei sua bundinha para ajudar melhor na impulsão, e ela enroscou seus pés en minhas pernas, para que nada nos fizesse desgrudar naqueles momentos. Nosso ritmo ficava cada vez mais intenso, mais rápido, mais forte, mais frenético, ela gemia, gritava, falava para eu comer mais e mais forte a cadela que ela era, que ela se sentia uma puta devassa dando tudo para seu cafetão, e eu gritava que queria arregaçá-la toda, que enfiaria até as bolas, até a cabeça de meu pau sair por sua boca, que a faria mulher de verdade, uma mulher plenamente fodida, de modo intenso e devastador. ................Estávamos loucos de tesão, transtornados pelos sentidos maravilhosos e sensações delirantes que proporcionávamos um para o outro com nossos corpos. Já sabendo das reações dela ao gozo iminente, quando ela diminuiu um pouco o ritmo e começou a arquear novamente as costas, deixei meus sentidos fluirem livremente, agarrei seus seios, e ainda sem deixar por completo o ritmo sensual do entra e sai, comecei a beijar sua nuca quando gozamos intensamente juntos, gritando de tesão. ..................Tive de tapar sua boca e apertar a minha própria contra suas costas para abafar o grito louco e intenso e soltávamos, enquanto eu sentia meus jorros inundando aquele corpo de fêmea e a vagina dela se contraindo a cada espasmo em torno do meu pau................. Diminuimos aos poucos o ritmo das estocadas e finalmente a libertei das amarras. Nos abraçamos num novo beijo profundo e sensual, curtindo ainda os últimos arrepios proporcionados pela intensa foda que fizemos.............. Tomamos juntos um banho, ensaboando o corpo um do outro e trocando novas carícias, transamos mais uma vez com nossos corpos ensaboados e fomos nos deitar, já às 5 da manhã...............
Continuamos a transar todas as noites durante aquela semana e descobrimos novas sensações e desejos. ............Depois, já em São Paulo, continuamos a nos encontrar furtivamente, e começamos a nos soltar para novas aventuras com outras pessoas, uma vez até figimos ser casados para fazer um swing. .............Desde então, tanto ela como eu já não somos mais tão bloqueados com relação aos nossos desejos e curtimos muitas coisas juntos e com outras pessoas, mas sempre partilhando o que acontece nestes nossos encontros. ...............Sei que ela também está se entregando para outros como o fez pra mim, mas nossa primeira transa ficou como um marco de libertação de nossa libido. ( escrito por Michael (hotman_sp@hotmail.com))

Nenhum comentário: